Jornal Página do Estado

Procurador Geral lota e da cargos no Ministério Público para seu concunhado e irmão

Irmão e Concunhado do Procurador Geral de Justiça estão com cargos no M.P. pagamento das diárias estão sob sigilo.

Marcio Sartori Eko e Tarsis Sartori Eko são os beneficiados pelos cargos.

Nomeado pelo governador Mauro Mendes (DEM) para ocupar a chefia da Procuradoria Geral de Justiça  José Antonio Borges após ganhar primeiramente a disputa interna contra o ex-procurador-geral de Justiça, Mauro Curvo, por um voto já tratou de lotar e dar cargos aos concunhados ao menos é o que consta na denuncia enviada ao CNMP, que nada mais é que o Conselho Nacional do Ministério Público que detém o poder de fiscalizar.

Na reclamação o cidadão narra que tomou conhecimento que em data de 01 de março de 2019, o Procurador-Geral de Justiça, tratou de arrumar cargos ao Sr. TARSIS SARTORI EKO – Gerente de Fiscalização de Obras, símbolo/ nível MP-CNE-IV, lotado no Departamento de Engenharia-DENGE e mantém seu irmão, MÁRCIO SARTORI EKO, sendo esse seu concunhado, pois o mesmo é casado com a irmã da esposa do Procurador-Geral de Justiça, que se encontra a disposição (cedido) através do Termo de Cooperação no 001/2015, ao Ministério Público do Estado de Mato Grosso e atuando como Escrivão no GAECO. O salário desse servidor Tarsis Sartori Eko, como o gerente de fiscalização de obras é no valor aproximado de quase R$ 10.000,00(dez mil reais) mais R$ 1.500,00 de auxilio alimentação que somado com as diárias deve ultrapassar R$ 15.000,00(quinze mil reais).

O Procurador Geral havia dado entrevista na Centro América criticando o Sr. Dr. Preza da Sta. Casa por por admitir parente na mesma com salário de R$ 10.000,00 tendo repetido o mesmo procedimento criticado dentro do M.P. que como fiscal a Lei combateu.

Ainda na denuncia recebida no e-mail desta redação do Jornal consta que o servidor teria sido nomeado para esse cargo(gerente de fiscalização de obras) em virtude que o mesmo é bem remunerado, porque sendo fiscal é necessários muitas viagens o que da lhe direito as diárias. Outro ponto a se destacar é que o servidor tem ocultado seus processos internos de recebimento de diárias, conforme sistema GEDOC por meio de sigilo para que ninguém possa ver seus recebimentos de diárias mesmo contrariando o principio da administração pública.

Na respectiva reclamação o cidadão pede ao CNMP a exoneração forçadas dos parentes do Procurador por nepotismo além do retorno do mesmo a sua antiga lotação que é na DEPOL, por ser policial.

Por fim na reclamação o autor anexa várias fotos do Procurador Geral com o parente que está em cargo no MP.

Foto Capa Repórter-MT.

Abaixo segue documentos recebidos por está redação.

Oficio Gaeco

 

Oficio Gaeco

 

Diarias 10 (para visualizar clique no azul ao lado)

Processo interno pagamento de diárias sob sigilo

 

Abaixo: entrevista do Procurador Geral de Justiça criticando contratação de parentes na Santa Casa.

As 03 minutos e 30 segundo da entrevista.

http://g1.globo.com/mato-grosso/bom-dia-mt/videos/t/edicoes/v/papo-das-6h-entrevista-com-o-novo-procurador-geral-de-justica-jose-antonio-borges-pereir/7458166/

 

Quadro de parentesco vedado pelo TJ-MT

 

Procurador com concunhado em confraternização

 

Foto em familia

 

foto em familia

 

MP que deveria lustrar a proibição da prática do nepotismo…combatendo a violação aos princípios constitucionais da administração pública, em especial o principio da moralidade, resolveu embaçar as vedações, lustrando formas ociosas e imorais para driblar o nepotismo que deveria combater com afinco e responsabilidade.

Jornal Página do Estado

Leia também:

Cadeirante entra em prefeitura, ameaça policial e é baleado

A Polícia Civil de Santo Antônio do Leverger (34 km ao Sul) autuou em flagrante …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *