Jornal Página do Estado

Riva imputa crimes a dois únicos conselheiros titulares do TCE

Divulgação/TCE

Os dois únicos conselheiros titulares do Tribunal de Contas do Estado (TCE) de Mato Grosso, Domingos Campos Neto e Guilherme Maluf, foram atingidos pela proposta de delação do ex-deputado José Riva junto ao Ministério Público Estadual (MPE). Os fatos narrados por Riva remetem ao tempo em que ambos eram parlamentares.

De acordo com o ex-parlamentar, o atual presidente do TCE, Campos Neto, chegou a receber cerca de R$ 1,250 milhão para votar na chapa da Mesa Diretora entre 2001 a 2009, para garantir a permanência de Riva dentro da gestão do Legislativo. Os recursos para a compra de votos eram de factorings ligadas ao ex-bicheiro João Arcanjo Ribeiro, Valdir e Valcir Piran, além de desvios do próprio Legislativo.

Riva também já havia incluído Campos Neto na lista dos parlamentares que recebiam mensalinho para facilitar as votações do Executivo na Assembleia.

Guilherme Maluf também é citado como um dos beneficiários da compra de votos para a eleição da Mesa Diretora. Maluf teria recebido cerca de R$ 1,8 milhão para votar nas chapas indicadas por Riva. Sendo que última gestão de Riva, entre 2013 e 2015, cada voto custou R$ 800 mil. Maluf teria recebido para votar, entre 2007 e 2015.

Já na disputa da Mesa Diretora de 2015, Riva afirma que ouviu de parlamentares que Maluf teria usado os mesmos modus operandi para se eleger presidente, buscando recursos com os seus parentes Mikael e Zezo Maluf.

Maluf também aparece na planilha do pagamento de mensalinho revelados por Riva. Entre 2007 e 2015, o ex-parlamentar teria se beneficiado em R$ 5,120 milhões. Os valores seriam depositados ou entregue em mãos, ficavam entre R$ 30 mil e R$ 50 mil por mês.

Como provas Riva diz que o ex-parlamentar atestou falsamente o “recebimento de materiais e serviços não entregues/prestados à ALMT pelas empresas alhures citadas como forma de conferir suporte ao pagamento de propina”, diz trecho do documento.

Riva também cita dois conselheiros afastados, Sérgio Ricardo e Valdir Teis. Sérgio Ricardo também teria recebido mensalinho, comprado e vendido votos para a Mesa Diretora, além de participação nos esquemas de desvios da AL através de fraudes em licitações.

Riva também confirma a suposta compra de vaga no TCE, que resultou na sua indicação ao cargo em 2012.  Já Valdir Teis, Riva alega que, o mesmo enquanto secretário de Estado, teria se beneficiado do esquema de cartas de crédito, descobertos pela operação Cartas Marcadas da Defaz.

Riva também aponta dois ex-conselheiros do TCE em esquemas ligados à Assembleia. Humberto Bosaipo e Alencar Soares. Ambos teria se beneficiado dos esquemas mensalinho e compra e venda votos para a Mesa Diretora.  Bosaipo também integraria o núcleo de esquemas feitos na AL, segundo Riva. Já Alencar Soares teria vendido a sua vaga para Sérgio Ricardo.   Tais assuntos já estão sob investigação do MPE e da Justiça Federal.

Outro lado       

Procurado pelo Gazeta Digital a assessoria do TCE informou que os conselheiros Guilherme Maluf e Campos Neto não irão se manifestar sobre o assunto.

Humberto Bosaipo, Sérgio Ricardo alegam que Riva mente para tentar conseguir benefícios da delação e nega qualquer irregularidade no tempo em que eram deputados.

Já Valdir Teis e Alencar Soares não foram localizados para comentar. O espaço continua aberto para ambos.

Fonte: Gazeta Digital

Jornal Página do Estado

Leia também:

Ligado a esquema no Detran, Justiça nega permissão a Savi para viajar ao exterior

Uma viagem programada para o exterior, pelo ex-deputado Mauro Savi (DEM), foi cancelada pelo desembargador …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *